Sem Feminismo não há Agroecologia

Sem Feminismo não há Agroecologia

Sem Feminismo não há Agroecologia

Sem Feminismo não há Agroecologia

Sem Feminismo não há Agroecologia

Sem Feminismo não há Agroecologia

Por Renata Wirtzbiki (*)

Quando se fala em agricultura familiar, a importância do trabalho da mulher é, ainda, ignorada. As desigualdades e violências de gênero, que atingem as mulheres do campo, não diferem do campo de trabalho das mulheres das grandes cidades. Então entra em cena a prática da Agroecologia que, por meio de movimentos e organizações de mulheres, vem devolvendo ao feminino o seu lugar de protagonismo.Mas, como assim, devolvendo? A mulher, em nosso sistema patriarcal, esteve alguma vez como protagonista na agricultura? A começar, podemos dizer que a Terra é o feminino. É da fertilidade da terra que brota a vida – o alimento que, antes de nascer, necessita ser semeado e cuidado, para, enfim, brotar, crescer e ser colhido.Para que este alimento chegue saudável – livre de veneno e de trangênicos – às nossas mesas, é preciso que a Terra também esteja saudável. E sabemos hoje, mais do que nunca, que a Agroecologia é o caminho para a regeneração e preservação dos nossos solos, das águas, do ar e de todo o nosso planeta.A Agroecologia é muito mais que um conjunto de práticas de manejo agrícola. É um modelo de transformação ecológico, sociocultural, econômico e político. Na atual conjuntura, são as mulheres que já entenderam que é preciso transformar as ultrapassadas práticas de manejo que lhes foram ensinadas, geração a geração, e acolher a Agroecologia como solução de preservação da vida.É por meio da luta movimentos e organizações de mulheres – conscientes ou não de seu caráter feminista – que esta transformação, hoje, já é uma realidade. Por isso, dizemos: “Sem Feminismo não há Agroecologia”. A ancestralidade que pulsa em todas nós – mulheres, trabalhadoras do campo ou da cidade, produtoras ou consumidoras – é que vai salvar o planeta da destruição.É bem verdade que temos um longo caminho pela frente, na luta contra o patriarcado que domina o agronegócio. Porém, lembremos das palavras da agrônoma Ana Primavesi (1920-2020), pioneira da Agroecologia no Brasil: “Agora eu sei que a Agroecologia não tem volta”.(*) Renata Wirtzbiki é jornalista e integrante da Rede EcoCeará de Agroecologia

Deixe um comentário

Sem Feminismo não há Agroecologia