Rosa Luxemburgo e as eleições

Rosa Luxemburgo e as eleições

Rosa Luxemburgo e as eleições

Rosa Luxemburgo e as eleições

Por Lucas Reinehr (*)

Em 15 de janeiro de 1919, Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo eram assassinados em Berlim pelos Freikorps, a mando do governo socialdemocrata alemão. Militantes imprescindíveis do movimento socialista internacional, ambos deixaram importantes contribuições à luta pelo fim da exploração e pela construção de outra sociedade.

103 anos depois, o pensamento de Karl e Rosa continua atual, pois também neste momento da história, o sistema capitalista expande suas fronteiras através da violência, do genocídio e do imperialismo. Para encontrar respostas a questões antigas que ainda nos assombram, é fundamental olhar para trás e reviver as formulações deixadas por ambos.

Neste dia 15, compartilho a tradução livre de um trecho do discurso “A situação política e a social-democracia”, apresentado por Rosa Luxemburgo em 1 de dezembro de 1911, na cidade de Leipzig, na Alemanha. Para a esquerda alemã ou brasileira, o pensamento abaixo, externado por Rosa, nos convida a refletir sobre as diferentes vias de luta pela construção do socialismo e suas limitações.

“Assim estamos diante das eleições. Nem toda eleição parlamentar tem o mesmo significado que as outras, e toda eleição tem um significado fundamental para nós, diferente dos partidos da classe dominante. Para os partidos da classe dominante, as eleições parlamentares significam única e exclusivamente uma caça por mandatos. Para nós, os mandatos ficam em último lugar. Nós vamos à luta não para agarrar tantos mandatos quanto possível, mas sim porque a luta eleitoral nos oferece a oportunidade de politizar as massas e fazer avançar a derrocada da sociedade capitalista. As eleições não podem ser vistas apenas pela ótica do parlamento, mas sim pela ótica do grande destino internacional e das tarefas que devem ser executadas. Quando a luta é árdua, quando o que nos espera é trabalho em abundância, então, com uma mirada à vida e ao chão que pisamos, podemos afirmar: nós vamos a esta luta com alegria. Viver é uma alegria.”

Rosa Luxemburgo em 1 de Dezembro de 1911 em Leipzig, no discurso “A situação política e a social-democracia”.

É preciso ir à luta com alegria e, principalmente, sem ilusões. No Brasil de 2022, a disputa eleitoral terá um papel fundamental, mas não pode ser restrita à “caça por mandatos”. A conquista de espaço nas instituições deve vir imprescindivelmente acompanhada da politização da classe trabalhadora, da consolidação de uma maioria social e da apresentação de um programa de transformações estruturais. Somente com a articulação dessas distintas lutas e do fortalecimento da luta internacionalista será possível alterar o destino do Brasil e da América Latina.

Karl e Rosa, presentes!

(*) Lucas Reinehr é militante da JPT e voluntário na Fundação Rosa Luxemburgo em Brandenburgo

 

Deixe um comentário