A avaliação dos movimentos negros em 2021 e o espectro total do identitarismo branco

Rio de Janeiro - Em ato Contra o Genocídio da Juventude Negra, manifestantes protestam contra a morte de cinco jovens negros por PMs no último sábado (28), em Costa Barros, na zona norte (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Por Fausto Antonio (*)

Epigrafia de encruzilhada entre dois identitarismo

O movimento negro ongnizado é fruto tão-somente de uma política identirária? As forças armadas, espaço de brancos adestrados pelo imperialismo, são produções identitárias? A polícia federal controlada pelo FBI e CIA é uma ordem identitária da branquitude ? As empresas brancas de comunicação, sucursais do imperialismo, são identitárias? Desconsiderar a cor da burguesia brasileira não historiciza ou empiriciza (naturaliza o branco (a) universal) o identitarismo burguês?

Excetuando o ato de 20 de novembro de 2021, os movimentos negros não realizaram ações à altura das necessidades da população negra e da luta da classe trabalhadora. Nas chacinas, genocídio de negros, não tivemos respostas e muito menos mobilizações organizadas de grande peso e alcance. A mesma crítica se aplica aos coletivos de negros (as) ( ou antirracismo) dos partidos da esquerda brasileira, CUT e categorias sindicais.

Por outro lado, a avaliação dos movimentos negros ou da luta contra o racismo em 2021 exige uma visada retrospectiva. A base de partida para a análise passa pelo golpe branco de 2016 que, sob o comando direto do imperialismo e burguesia branca brasileira, derrubou o governo Dilma (PT). A natureza racista do golpe de Estado é o ponto nuclear e que deveria orientar a organização dos movimentos negros para conter o golpe e igualmente derrotá-lo no seu desenvolvimento em marcha.

No processo golpista, iniciado com o mensalão (2012) e num crescendo com as manifestações de ruas ( 2013 ), que foram capturadas pelas agências do imperialismo, pela direita e pela extrema direita, os movimentos negros não atuaram de modo centralizado e na contramão da operação lava jato e do antipetismo. Não tivemos atos contra o golpe e contra a operação lava jato organizados e deliberados publicamente, a partir de plenárias, pelos movimentos negros.

Repetindo a toada da esquerda branca e/ou branqueada, os movimentos negros, o que seria fundamental e é até o presente momento, não caracterizaram o golpe de Estado de 2016 como um golpe dado pela branquitude, a burguesia branca privilegiada pelo racismo à brasileira e/ou capitalismo à brasileira, que não será atacado e derrotado sem a compreensão da cor da classe e/ou dos privilégios para brancos (as).

Os movimentos negros ficaram paralisados ou presos às trincheiras do 20 de Novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, e do 13 de Maio, Dia Nacional de Denúncia e Luta contra o Racismo. Outro grave problema foi a ausência de articulação e campanha contra o racismo, a violência policial e a organização e luta para libertar o ex-presidente Lula; não houve nem um ato chamado e bancado politicamente pelos movimentos negros, o que inclui os coletivos de negros (as) dos partidos de esquerda, CUT e categorias sindicais.

Setores expressivos da esquerda querem os negros(as) na base e nos atos, mas não dão centralidade para a luta contra o racismo, que se efetiva com a organização dos trabalhadores (as) e principalmente do contingente negro para a luta conjugada contra o racismo, contra o capitalismo e contra o imperialismo; sem a exclusão das categorias raça e racismo ou sem a redução ao dogma da classe sem cor e/ou raça.

É para dar invisibilidade aos conceitos de raça e racismo que há a valorização adjetiva do identitarismo, que exclui do debate o identitarismo branco e burguês.

O chamado identitarismo, no que concerne ao racismo, é confusamente entendido e de difícil solução. Não é por outra razão que o imperialismo, na política de espectro total, tem a seu serviço dois identitarismos. Estamos, a rigor, entre dois identitarismos. De um lado, não é uma questão adjetiva, há os movimentos negros ongnizados, na realidade, comandados pelas agências financiadoras de propostas de inclusão utópica na sociedade racista e capitalista, o que resulta na falsa inclusão e/ou na inclusão apenas simbólica ou nos limites culturais e políticos sistematizados pela branquitude brasileira e imperialista; domínio do branco universalizante, racista. A complexidade é que estamos entre dois identitarismos, no campo da negrada o controle é feito pelo poder econômico e pelas agências que sustentam ongs inofensivas do ponto de vista das mudanças antirracismo, anticapitalismo e anti-imperialismo.

A outra base da política identitária vem da esquerda pequeno burguesa, que se afirma muitas vezes revolucionária, mas é expressão do identirarismo burguês, que se concretiza pela total aversão aos conceitos ou às categorias raça e racismo no entendimento de como se define o funcional o racismo e o capitalismo no Brasil. Rigorosamente, a aversão aos conceitos de raça e racismo é a reprodução do racismo, que desconsidera a existência de privilégios para brancos(as), o que é uma afronta ao antirracismo, e refunda o mito de democracia racial.

Sem caracterizar o golpe como branco, no processo em curso, o que inclui 2021, os movimentos negros e o campo antirracismo não realizaram a tarefa central, que é organizar a luta na conjuntura do golpe, negritando que ela, a conjuntura, reflete a estrutura racista materializada pela burguesia branca ( É preciso foto? Ou o desenho?).

Agora, 2021, e dentro dessa realidade dada pelos dois identitarismos, sobram as discussões isoladas de questões de linguagem e de termos ou conceitos. Os movimentos negros sempre questionaram a invisibilidade da negrada nos conceitos; no apagamento do signo negro, e no contexto social. Não é a interdição do debate ou a consagração do pensamento único; é um instrumento por cujo meio se questiona o universalizante branco, racista e intocável. O identitarismo burguês branco é o núcleo dessa ordem totalitária, não é o chamado identitarismo negro. É preciso discutir tudo, qual o problema? O identirarismo branco universalizante, totalitário, não permite.

O identirismo pequeno burguês não pretende enfrentar o racismo a partir do seu núcleo, isto é, dos privilégios para brancos (as). Além dessa realidade, sobram as perfumarias e o marxismo como dogma que, mesmo diante da burguesia branca brasileira e do golpe de Estado branco, opera a análise e a politica sem considerar a cor da classe. Repito: é preciso foto, desenho da burguesia branca brasileira?

(*) Fausto Antonio é professor da Unilab – Bahia , escritor, poeta , dramaturgo e autor, dentre muitas outras obras, dos romances Exumos , Memória dos meu carvoeiros e do infantil No Reino da Carapinha

Este post tem um comentário

  1. Luciene Maria Malta de Souza Figueiroa

    Artigo instigante. Cabe um bom debate, inclusive na Página 13, para começar.

Deixe um comentário