Balanço proporcionais – Patrick Campos

Balanço proporcionais – Patrick Campos

Balanço proporcionais – Patrick Campos

Balanço proporcionais – Patrick Campos

Por Patrick Campos (*)

Uma nova esperança! Foi carregando esta consigna que caminhamos ao longo de toda a nossa campanha e conseguimos 8.876 votos em Pernambuco. Assim como no episódio IV de “Guerra nas estrelas – Uma nova esperança”, nossa campanha marcou o início de uma jornada que ainda não terminou, e que foi fundamental para enfrentar nossos adversários, superar desafios e organizar a resistência.

Diferente de quase todas as demais candidaturas do PT e da Federação Brasil da Esperança, nossa candidatura à deputado federal foi definida somente em abril de 2022, com o período da pré-campanha praticamente iniciado. Além disso, ela foi a mais jovem entre todas da Federação, com um candidato de 32 anos, vindo do interior do estado e disputando pela primeira vez uma eleição para deputado.

A campanha foi direcionada para setores da juventude trabalhadora e os estudantes de escolas públicas, universidades e institutos federais. Por meio das redes sociais e de uma agenda cotidiana de panfletagens nas portas das escolas e institutos, alcançamos o objetivo de criar referência como uma das candidaturas de esquerda para a juventude pernambucana.

Além disso, diante da inexistência de uma campanha presidencial organizada para Lula, tomamos a decisão de assumir essa tarefa. Quando ficou evidente que não chegariam os materiais da campanha presidencial, alteramos nossa própria identidade visual e produzimos um conjunto de peças, adesivos e bandeiras para a eleição de Lula presidente.

Essa decisão se mostrou extremamente acertada, tendo em vista o espaço vazio deixado pela campanha presidencial no estado. No entanto, mesmo com todos os nossos esforços, a campanha presidencial ficou bastante prejudicada pela decisão da direção estadual do partido de deixá-la submetida a campanha do candidato ao governo do estado.

O resultado foi que Pernambuco, que era tido como o estado mais lulista do país, ainda conseguiu dar 65,27% dos votos para o presidente Lula, mas menos que outros estados do nordeste, como Bahia, Ceará, Maranhão e Piauí. Elegemos apenas um deputado federal (menos que 2018) e mantivemos as mesmas três cadeiras na assembleia legislativa do estado.

Ao mesmo tempo, cresceu a bancada da extrema-direita, tendo sido eleitos parlamentares absolutamente bolsonaristas para a Câmara dos Deputados (fenômeno que não tinha ocorrido no estado em 2018). Por esta razão, consideramos que foi muito importante o papel que nossa candidatura desempenhou ao fazer uma discussão programática e de enfrentamento, falando sobre o combate ao racismo, em defesa das cotas, dos direitos da população LGBT+, das reformas estruturais e falando abertamente sobre o socialismo.

Contribuiu para que tivéssemos esse importante resultado político, a participação de setores dos movimentos populares e sindical, com destaque para aqueles ligados a educação. A campanha nos permitiu chegar em grêmios estudantis, professores e militantes da educação que já estão se incorporando nas fileiras do PT e discutindo a construção do partido ao longo do próximo período.

Mas também tivemos o apoio e inserção junto aos trabalhadores metalúrgicos, metroviários, da saúde, da cultura, dos correios, das telecomunicações, químicos entre outros. Foi uma campanha que permitiu fortalecer os vínculos com todos esses setores e que criou as condições para um novo ciclo de crescimento e organização no estado.

Da mesma forma, conseguimos chegar em diversos outros setores por meio das redes sociais. Fomos votados em 181 municípios, dos 185 existentes no estado e com votação em todas as zonais da cidade do Recife. Este resultado nos permite avaliar como uma vitória política o resultado de nossa campanha e um desempenho eleitoral que nos coloca hoje em condições melhores que a do passado recente.

Agora, a tarefa que nos colocamos é a de seguir organizando a base do petismo, na tentativa de converter parte desses votos em militância organizada. O desafio de eleger Lula presidente e Marília governadora, derrotando as forças da extrema-direita, exige que façamos essa tentativa. Seguiremos com a mesma disposição que tivemos desde o início, cheios de vontade e esperança para ajudar a fazer Pernambuco e o Brasil felizes de novo.

(*) Patrick Campos, advogado, professor, membro do diretório nacional do PT. Foi candidato a deputado federal pelo PT em Pernambuco.

Deixe um comentário