Ucrânia

Ucrânia

Ucrânia

Por Inocêncio Uchôa (*)

Nunca foi tão verdadeira a profética afirmação de Mao Tsé Tung, segundo a qual os EEUU são um tigre de papel. O presidente Putin executou mais um passo de quem já ganhou a guerra: reconheceu como independentes as províncias ucranianas de Lugansk (escreve-se Luhansk) e Donetz, no leste daquele país, onde vive um grande número de russos, seus filhos e descendentes. Elas sempre fizeram oposição ao governo do comediante fascista e atual presidente do país, e, com esse reconhecimento, receberão assessoria militar e apoio bélico para seu objetivo de tornarem-se repúblicas independentes.

Isso adiciona mais dificuldades para o projeto imperialismo Yankee, que atraves do governo fantoche da Ukrania, pensava: a) dificultar a inevitável aproximação da Europa central e do leste com a Rússia, de quem compram o gás necessário à sobrevivência de sua população, em especial a Alemanha, que acaba de finalizar a construção de um super gasoduto ligando os dois países, mas também a Moldávia, a Romênia, a Polônia, a Transnistria e os países do Mar Báltico; b) implantar bases militares nucleares nas barbas de Moscou, lembrando que a Ucrânia tem uma experiência razoável com o assunto, pois era lá que se situava a usina nuclear de Chernobyl; c) tentar neutralizar a importantíssima base naval russa de Sebastopol na Crimeia, sob cujo comando estão dezenas de submarinos nucleares de última geração. Só tem alguns problemas: a) os EEUU não terão o apoio subserviente de boa parte dos países da Europa central, cujas populações não estão aceitando mandar seus filhos pra morrer numa guerra de interesse dos grandes capitais internacionais; b) o decadente imperialismo não tem onde conseguir força militar e financiamento para uma guerra dessas proporções; c) a Rússia tem o apoio econômico e militar da China, a maior potência econômica e tecnológica da atualidade.

A verdade é que a arrogância americana na imprensa mundial não passa de bravata para disfarçar o fracasso do neoliberalismo em implantar o projeto nazi-fascista ao sul da Rússia e na importante região do Mar Negro. Hasta siempre.

(*) Inocêncio Uchôa é juiz do Trabalho aposentado e advogado. Integrante da ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia).


(**) Textos assinados não refletem, necessariamente, a opinião da tendência Articulação de Esquerda ou do Página 13.

Deixe um comentário