Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13

Está disponível aos nossos leitores e leitoras a edição mais recente do Jornal Página 13, de número 248.  Para acessar na íntegra, basta clicar aqui . Abaixo, segue o editorial. 

BOA LEITURA!

Editorial

Um vice participativo e uma instância paralisada

Esta edição de novembro do jornal Página 13 sai com várias semanas de atraso, por motivos alheios a nossa vontade. Ainda em 2022, pretendemos lançar mais uma edição de Página 13; depois voltaremos a circular em fevereiro de 2023.

Dezembro de 2022 será um mês carregado de atividades: reunião da coordenação sindical nacional da AE no dia 6/12; reunião de comunicadores da AE no dia 7/12, para fazer um balanço e indicar medidas para ampliar a qualidade e o alcance de nossos meios de comunicação durante o biênio 2023-2024; reunião para organizar o processo de balanço das eleições, no dia 13/12; reunião da direção nacional da AE, no dia 19/12. E, no dia 8 de dezembro, a primeira reunião do Diretório Nacional do PT desde o início da campanha!

Insistimos muito na reunião do Diretório Nacional, porque se nada for feito o PT (e, por tabela, a esquerda brasileira) perderá o conquistado. Quem alimenta qualquer dúvida a respeito, deveria prestar atenção na desenvoltura com que o vice-presidente eleito se movimenta. De figura declinante, derrotado em seu próprio partido (o PSDB), foi trazido para ser candidato a vice, supostamente por ter grande força eleitoral, especialmente no estado de São Paulo. Os fatos demonstraram outra coisa, bastante diferente das expectativas vendidas nos debates internos. Mas agora Inês é morta: Alckmin é vice-presidente eleito, foi nomeado coordenador da comissão de transição e vem se pronunciando – em tucanês – acerca de temas caríssimos à classe trabalhadora, como é o caso da reforma trabalhista e sindical.

A desenvoltura de Alckmin é um componente da ofensiva que os neoliberais estão fazendo para manter o governo Lula nos marcos do que o mercado considera aceitável; esta ofensiva utiliza, como fator de chantagem, a pressão dos neofascistas. E acima de tudo e de todos, está o imperialismo se mexendo para impedir que o Brasil reconstrua a integração regional e a aliança com os BRICS.

Para enfrentar esta complexa situação, será preciso fazer muito coisa. Mas pouco do que precisa ser feito terá êxito, se não houver partido. E partido inclui algo mínimo: que o Diretório Nacional do PT volte a se reunir presencialmente. A última vez que o fizemos foi em março de 2020. Por qual motivo a demora? Por qual motivo a resistência em reunir? As desrazões são várias, mas o preço é alto demais e será pago pelo povo brasileiro. Por isso, pauta mínima: que a instância dirigente nacional volte a existir.

Os editores

Deixe um comentário

Saiu mais uma edição do Jornal Página 13